Gestão de mudanças – o processo de mudança como oportunidade

gestão de mudanças

8 de fevereiro de 2022

A gestão de mudanças está sempre em demanda. Como exemplo, enfrentamos desafios tanto como sociedade quanto como indivíduos, tais como:

  • Digitalização e progresso técnico
  • Uma próxima transição energética em conexão com uma mudança estrutural econômica de longo alcance
  • Uma mudança social, política e ecológica
  • Formas alternativas de “Novo Trabalho”, repensadas tanto em tempos de mudança de valores sociais quanto em decorrência de uma pandemia de corona.

A passagem do tempo dificilmente pode ser interrompida – tais mudanças drásticas devem, portanto, ser combatidas profissionalmente, analiticamente e consistentemente com o gerenciamento de mudanças.

Histórico de gerenciamento de mudanças

gestão de mudanças 2022

O gerenciamento de mudanças foi usado pela primeira vez pelo americano Fritz Roethlisberger e pelo australiano George Elton Mayo na década de 1930 em conexão com o desenvolvimento organizacional. Otimizar a eficácia (estamos fazendo as coisas certas?) e a eficiência (estamos fazendo as coisas certas?) deve, em última análise, levar ao aumento do desempenho e da produtividade.

A gestão de mudanças também foi de grande importância nas décadas de 1970, 80 e 90. Em vista de desenvolvimentos econômicos e tecnológicos cada vez mais desafiadores, foram principalmente as empresas de consultoria que iniciaram um realinhamento consistente dos processos de negócios no curso dos chamados programas de reengenharia. 

Tendo em vista os custos, a qualidade, o serviço ou os tempos de processamento dos processos de trabalho, devem ser alcançados valores-chave significativamente melhores.

No século 21, o gerenciamento de mudanças é comumente associado a demandas por agilidade  , flexibilidade ou aprendizado ao longo da vida. De um modo geral, é necessária uma vontade de mudar. Tanto as empresas quanto as organizações e especialmente as pessoas que trabalham para elas são obrigadas neste momento a organizar e projetar a gestão de mudanças .

Definição de gerenciamento de mudanças

A gestão de mudanças persegue o objetivo de se adaptar continuamente

  • estruturas
  • processos e
  • comportamentos

a ser realizado de forma permanente. Em suma, o gerenciamento de mudanças é um processo de gerenciamento planejado que, partindo de um estado inicial existente, leva a um estado-alvo definido.

gerenciamento de mudanças
gerenciamento de mudanças

Gerenciamento de mudanças versus desenvolvimento organizacional

Historicamente, a gestão de mudanças remonta a abordagens de desenvolvimento organizacional. O que ambos os termos têm em comum é uma compreensão da gestão da mudança que cada vez mais tenta conciliar os objetivos econômicos das empresas (por exemplo, aumentar a produtividade ou maximizar os lucros) com os objetivos sociais da força de trabalho (por exemplo, valorização, maior envolvimento nos processos e equilíbrio entre vida profissional e pessoal). ).

Organização como um sistema

Os primórdios do desenvolvimento organizacional, nascidos em meados da década de 1950, queriam ver uma organização como tal e seus componentes individuais (como máquinas, pessoas, processos, procedimentos e valores) menos separadamente no futuro, mas mais como uma unidade. Foi nesse contexto que surgiram pela primeira vez os conceitos de satisfação no trabalho e no funcionário. 

Apesar dessa relação cada vez maior com o ambiente, o desenvolvimento organizacional é fundamentalmente mais focado em processos de mudança que são originalmente voltados para uma organização com uma referência de tempo comparativamente mais longa.

Em resumo, o conteúdo do desenvolvimento organizacional pode ser delineado com os seguintes pontos:

  • As mudanças são vistas como processos de longo prazo a serem implementados na organização existente.
  • O objetivo é a combinação eficaz e eficiente de objetivos econômicos corporativos com a satisfação no trabalho e no empregado.
  • A força de trabalho está significativamente envolvida no desenvolvimento das metas de mudança desejadas.

Gestão de mudanças – abordagem holística e integrada

Em comparação e em contraste com isso, a gestão de mudanças é entendida como uma abordagem holística e integrada, mais orientada para a gestão. Em particular, os valores de referência que também estão fora da organização são ativamente colocados em foco. Exemplos incluem mudanças climáticas, tecnologias recém-desenvolvidas e a transição energética planejada.

Como a gestão de mudanças se vê como um processo de gestão estruturado e temporalmente determinado, os métodos seguem os processos básicos da ação empreendedora voltada para o futuro. Isso significa concretamente:

  • Análise do status quo, sua avaliação e determinação da necessidade qualificada de mudança
  • Definição de metas, desenvolvimento de estratégias e medidas adequadas
  • Comunicar as mudanças desejadas, criar aceitação entre a força de trabalho
  • Projetar, moderar e implementar processos de mudança
  • Documentar, analisar e controlar o progresso do processo

Desafios da gestão de mudanças

Gerenciamento de mudanças significa iniciar, projetar, moderar e implementar processos que são desconhecidos, pouco conhecidos e, portanto, novos. Basicamente, essas mudanças são difíceis. Seja no ambiente profissional ou privado, tais fases da vida nos apresentam desafios. Em 1969, Elisabeth Kübler-Ross usou seu modelo para descrever um processo de 7 estágios que descreve o comportamento emocional humano em situações de mudança na forma da chamada curva de mudança. Essas fases são:

  1. Fase de choque como a primeira reação a uma mudança futura, seguida de resistência interna.
  2. Fase de negação, na qual a resistência interna se desenvolve em uma reação defensiva violenta.
  3. Na fase do luto, percebe-se que a resistência e a defesa não são bem-sucedidas e o luto pela perda do experimentado e testado domina.
  4. A fase de despedida anuncia a vontade de deixar ir.
  5. Na fase de aceitação, o insight se desenvolve lentamente para lidar de forma construtiva com as mudanças futuras.
  6. Fase de teste: aqui você se envolve ativamente no processo de mudança em andamento pela primeira vez. Novas coisas são tentadas para ajudar a moldar a mudança.
  7. Com a fase de integração, a mudança desejada se torna realidade. A nova situação é agora mais familiar. Gradualmente, as mudanças desejadas se estabilizam na vida cotidiana.

Além disso, os desafios no gerenciamento de mudanças incluem todos os fatores que podem se tornar obstáculos no gerenciamento do dia-a-dia: pouca clareza, nenhuma prioridade e quase nenhuma formulação de metas concretas, pouca transparência e, portanto, nenhuma (ampla) aceitação.

Gestão de Mudanças – Três Fatores Essenciais de Sucesso

Para que o gerenciamento de mudanças seja bem-sucedido, o processo de gerenciamento associado deve ser claramente estruturado. Três fatores de sucesso são de fundamental importância:

  • Defina e formule metas o mais SMART possível (específicas, mensuráveis, atraentes, com prazo determinado).
  • Envolver os colaboradores: Geralmente são diretamente afetados pelas mudanças desejadas e têm que apoiá-los. Somente com eles o processo de mudança pode ser bem-sucedido. Portanto, são necessárias transparência, moderação e persuasão.
  • Proceda de maneira planejada: O planejamento claramente estruturado suporta a implementação das etapas de mudança individuais. Isso inclui, em particular, um planejamento de recursos realista.

Leia também: 33 dicas sobre como promover produtos com sucesso

Além disso, a cultura geral corporativa e de erro, a gestão de conflitos praticada na empresa, bem como as qualidades de liderança e liderança desempenham um papel decisivo.

Gerenciamento de mudanças – procedimento

O modelo de 5 fases de Wilfried Krüger é um dos modelos mais usados ​​para estruturar o gerenciamento de mudanças. Por sua vez, é baseado no modelo de 3 fases de Kurt Lewin (afrouxamento, transição, solidificação) e no popular modelo de 8 fases de John Kotter. Krüger combina as vantagens de ambos os modelos e postula que deve haver certa flexibilidade dentro de suas cinco fases. 

Assim, ao implementar o gerenciamento de mudanças , também é permitido retornar às fases anteriores.

Gerenciamento de mudanças de acordo com o modelo de 5 fases da Krüger

  1. Inicialização: Crie um ponto de partida adequado com uma análise real. Reconheça sua necessidade específica de mudança e implemente um ou mais gerentes de mudança qualificados.
  2. Concepção: Nomear gerentes de projeto. Eles desenvolvem conceitos e, com base nisso, um catálogo coordenado de medidas.
  3. Mobilização: Comunique-se o mais rápido e transparente possível. Isso aumenta a probabilidade de vontade de mudar na força de trabalho.
  4. Implementação: Reúna as equipes para implementar as medidas planejadas. Os responsáveis ​​pelo projeto (por exemplo, proprietários de produtos ) verificam o andamento e garantem que o procedimento seja adaptado conforme necessário.
  5. Continuação: O processo de mudança foi concluído com sucesso. Mas crie uma consciência de que a única constante é a mudança e que mais mudanças virão.

Existem outros modelos comparáveis no tópico de gerenciamento de mudanças (por exemplo, modelo ADKAR de Jeff Hiatt). Eles diferem essencialmente apenas em sua profundidade, diferenciação e foco. Existe um consenso de que a gestão de mudanças é um processo de gestão contínua e estruturada. 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.